ALUNOS

NEWSLETTER

Receba as nossas notícias
e novidades em seu e-mail:

VÍDEOS

PARCEIROS

SOLIDÃO

Na realidade, a condição humana é solitária! Vivenciamos nossas experiências mais importantes completamente sozinhos, mesmo quando temos a ilusão de estar junto com muitas pessoas! Nascimento, morte e até o orgasmo são momentos de total solitude. Graças ao sentimento de solitude que temos a certeza de que somos criativos, complexos, indivisíveis e únicos ou diferentes dos demais indivíduos, condições que nos deixam, paradoxalmente, iguais. Porém, é importante distinguirmos solitude e os sentimentos de solidão ou ser solitário com os de abandono, exclusão, isolamento ou desamparo. Mas, para isso é necessário uma boa dose de auto-estima, que só pode ser atingida por meio do autoconhecimento. De qualquer modo, nossa sociedade de consumo acabou deixando a maioria das pessoas superficiais, alienadas de si mesmas, com um conjunto de medos, dependências, abusos e compulsões, que acabaram transformando nossa realidade solitária em problema, produzindo muita tristeza, angústia e até depressão.

 Desta forma, para o senso comum, sentir solidão ou sentir-se solitário acabou se tornando algo ruim, levando as pessoas a mais consumo, dependências, abusos e compulsões. Por isso vemos tantos indivíduos irem ao shopping para comprarem o que não necessitam, com o dinheiro que ainda não possuem, na intenção de impressionarem quem não conhecem e serem ou se parecerem com o que desejam ser e não são. Mas, com essa atitude acabam sentindo um alívio transitório no sentimento de solidão patológica, por experimentarem sentimentos de pertencimento ao contexto social de consumo.

 Com isso, podemos dividir os sentimentos de solidão entre saudáveis, presentes em poucas pessoas privilegiadas, e patológicos, presentes na grande maioria silenciosa dos indivíduos. Nas minhas palestras sempre comento que não é por acaso que a palavra inglesa: alone é a junção das palavras: all in one, e que nos remete a reflexão de que a totalidade está na unidade. Então, quem consegue perceber que no âmago do nosso ser habita a experiência da totalidade indivisível, não terá mais medo da nossa realidade solitária. Essa é a visão da maioria das tradições esotéricas, orientais ou ocidentais, que estimulam a meditação ou a contemplação como meio de interiorização e fortalecimento do ser.

Como a experiência da solidão é subjetiva e depende do grau ou estágio de amadurecimento psicológico que as pessoas se encontrem, ela pode desencadear tanto mudanças benéficas quando as maléficas. Ou seja, podem produzir alterações psicológicas, neurológicas, endocrinológicas e imunológicas que vão da saúde para a doença. Isso porque somos seres integrais e não pode existir a separação entre corpo, alma, mente, relações amorosas, espiritualidade, trabalho, sociedade e família. É interessante notarmos que os sentimentos de solidão negativa, na maioria das vezes, acontecem quando o indivíduo está no grupo. Ele se sente desencaixado, não pertencente, excluído ou não amado. Por isso que nas datas festivas e comemorativas vemos o agravamento das crises de solidão patológica. Principalmente porque comemorar significa memorar com, ou seja, recordar com o(s) outro(s) as experiências emocionais, festivas ou não, que mobilizaram o coração (re-cor), devido sentimentos de amor, medo, alegria, tristeza, prazer ou dor.

 De qualquer modo, dependendo da emoção que a percepção da solidão despertar poderá desencadear uma série de alterações neurológicas que, por sua vez, mobilizam o sistema endocrinológico e esse o imunológico. Esse é conhecimento advindo dos estudos de psicossomática e que desembocaram na psiconeuroendocrinoimunulogia (PNEI). Com isso, dependendo da emoção, a pessoa fica mais suscetível a desenvolver doenças advindas de agentes agressores externos como bactérias, vírus ou fungos, mas também pode desenvolver doenças disfuncionais ou auto-imunes como o reumatismo e o câncer. Então, só o autoconhecimento poderá transformar a emoção negativa da solidão numa bioquímica da saúde.

Neste sentido, acredito que a educação deveria estar muito mais voltada para o autoconhecimento, possibilitando a reflexão de que estar adaptado em um contexto doente não é saudável. Desta forma, infelizmente, muitos jovens acabam manifestando sintomas ou distúrbios de atenção, dependências, abusos, compulsões ou hiperatividades, muitas vezes por não conseguirem ficar ajustados em nosso contexto social patológico, competitivo e individualista.

É importante deixar claro que a realização do mais alto fim existencial não é tão fácil de ser reconhecida e, mesmo quando a pessoa encontra seu sentido vocacional de servidão, na maioria das vezes o meio não é muito favorável. Ou seja, equivale a um caminho iniciático, individual e solitário, que sempre vai exigir do adepto o equivalente à jornada do herói. Lembrando que o herói é aquele que, na maioria das vezes, sacrifica-se para atender a demanda da maioria, imbuído da assepsia literal do sacro-ofício. Também é expressivo elucidarmos que ninguém transforma ninguém, mas que ninguém se transforma sozinho e é nesse sentido que se faz necessário um encontro amoroso de transformação. Porque o amor verdadeiro, por não querer transformar os outros transforma, por dar liberdade e alegria, condições criativas para que as demandas evolutivas de cada indivíduo possam acontecer.

Quando os sentimentos da solidão patológica começam a produzir doenças físicas ou psíquicas, como a depressão ou transtornos de dependências, abusos e compulsões é necessário uma intervenção. Onde, dependendo da gravidade, podem ir além dos atendimentos psicoterapêuticos por exigirem intervenções quimiátricas, por meio de substancias psicoativas.

 Geralmente, quem transformou a solidão em doença não consegue trocar. Não se sente pertencente, mesmo quando está num contexto social ou familiar festivo. São pessoas que se renderam à conjuntura competitiva e cumulativa da nossa sociedade de consumo e, por isso mesmo, passaram a valorizar quase que exclusivamente o ter, deixando de servir, que é base do ser. Ou seja, aquele que não se sente estimulado ou capaz de servir já está sofrendo os efeitos nocivos da solidão. Sendo que, o caminho de cura, deve ir à direção contrária ao ter, estimulando o servir, as trocas e o encontro do sentido e do significado existencial. Só assim a solidão deixará de ser patológica e se tornará saudável, curando as feridas de abandono e de baixa auto-estima. Com isso, deveríamos almejar o ter exclusivamente para servir e, conseqüentemente, sermos parte com o Todo.

 Atualmente a maioria das religiões que estão disponíveis no mercado da crença são as exotéricas. Com isso, no curto prazo, até podem diminuir significativamente os efeitos lesivos da solidão patológica. Porque dão ao indivíduo sentimentos de pertencimento ao grupo religioso, melhoram a auto-estima por despertarem a fé e, com isso, até podem aliviar a ferida narcísica da solidão primal que é percebida, equivocadamente, como algo ruim. Porém, o que vemos é que no médio prazo o crente se decepciona, perde a euforia inicial da conversão e acaba recaindo novamente na solidão patológica e seu conjunto de sintomas. Isso porque, essas religiões exotéricas colocam Deus fora, como uma conquista que exige muito sacrifício e, conseqüentemente, muito dinheiro para que os profissionais da fé possam agir como despachantes que fazem a conexão do crente com o sagrado.

 Movimento bem diferente das raras e antigas religiões de tradições esotéricas que deixavam explícito que Deus está no íntimo de cada ser e não pertence a nada, despertando a fé por meio da experiência unitiva, muitas vezes estimulando o silencio e a solidão como meios de autoconhecimento. Ou seja, desejavam que o seguidor descobrisse o entusiasmo por meio da re-ligação com o si mesmo, aliás, esse é o sentido da palavra religião: religare onde o entusiasmo é: in- Theos, com Deus, bem diferente de euforia que coloca o eu fora de si - euforikós. Acredito que Jesus, antes de se tornar instrumento de marketing das religiões exotéricas, tinha essa intenção.

 Então, para diminuir os efeitos lesivos da solidão patológica, o servir acaba sendo o melhor caminho. Uma sugestão é ter o propósito de não permitir que ninguém saia pior ou igual depois de se relacionar consigo mesmo. Isso já é uma grande meta para ajudar essas pessoas, pois fazem com que elas se comprometam com o próximo e desperta o amor, que é o grande antídoto para os sentimentos de solidão patológica.

 Cada indivíduo é único, mas as mulheres, por terem abundancia de ocitocina, hormônio do relacionamento, acabam demandando mais trocas e, como nossa sociedade está muito competitiva, egoísta e individualista, acabam expondo-as mais precocemente aos efeitos maléficos da solidão patológica. Porém, devido a esse hormônio, elas acabam buscando mais ajuda e conseguem superar a dificuldade com mais facilidade do que os homens. Essas são as razões que, apesar das mulheres pensarem em suicídio quase duas vezes mais do que os homens, eles são, nesse quesito, quase três vezes mais eficientes do que elas.

 Porém, como dizia Vinicius: "A vida é a arte do encontro, embora aja tanto desencontro" e notamos que cada vez mais vemos pessoas morando sozinhas, muito mais por opção do que por falta de opção, pois o convívio é uma arte difícil de ser exercida, principalmente quando deixamos de ter a paciência dos processos, por desejarmos tudo de imediato.

* WALDEMAR MAGALDI FILHO (www.waldemarmagaldi.com). Psicólogo, especialista em Psicologia Junguiana, Psicossomática e Homeopatia. Mestre e doutor em Ciências da Religião. Autor do livro: "Dinheiro, Saúde e Sagrado", coordenador dos cursos de especialização em Psicologia Junguiana, Psicossomática, DAC - Dependências, abusos e compulsões, Arteterapia e Expressões Criativas e Formação Transdisciplinar em Educação e Saúde Espiritual do IJEP em parceria com a FACIS. wmagaldi@gmail.com

Mais Artigos

Copyright © 2011   Waldemar Magaldi - Todos os direitos reservados